>> Rios Voadores, por Sílvio Mieli

rio-voador_mapaa

Rios voadores

Por Sílvio Mieli

É impossível voltar a viver como os povos tradicionais da Amazônia, mas a ecologia da dádiva praticada por eles há séculos dispõe de um modelo anticapitalista por exce­lência

Fonte: Brasil de Fato 20/11/2014

Se na nossa sociedade os bens são prioritariamente objetos de comércio e negócio, nas culturas tradicionais constituem “dons recíprocos”, uma realidade de outra or­dem e potência. Formas primitivas de trocas não têm so­mente caráter econômico, mas são um “fato social total” (Marcel Mauss), com significado religioso, mágico, senti­mental, jurídico, moral. Muito estudadas no âmbito da an­tropologia, essas trocas nos remetem a dois textos recen­tes, que apontam para questões ligadas à reciprocidade.

O primeiro texto é do sempre inspirado Frei Betto. Em “A cigarra e a formiga: fábula petista”, publicado aqui no Brasil de Fato, Betto compara a história do PT com o conto de Esopo. Em síntese, o texto conclui que o PT te­ria trocado o trabalho de base dos formigueiros militantes pelo canto presunçoso da cigarra (poder). Acrescentaria que na fábula petista, além da evidente falta de reciproci­dade para com as formigas, existe uma questão que atinge indistintamente a juventude, os sem-terra e os sem-teto, os povos indígenas e os quilombolas. Trata-se do anacrô­nico modelo de desenvolvimento do governo Dilma. As recentes falas de Gilberto Carvalho —“não abriremos mão da hidrelétrica de Tapajós” — e a possível indicação da se­nadora Kátia Abreu (a musa dos ruralistas) para o Minis­tério da Agricultura, resumem tudo.

O outro texto aborda diretamente a questão da dádiva. Em seu blog Para ler sem Olhar, o economista Diego Via­na compara o Egito, dádiva do Nilo, ao Brasil, dádiva da Amazônia. Não só o rio Amazonas, mas a floresta como um todo, “que permite empilhar tantos homens deste ou­tro lado do subcontinente”. Estamos diante de uma eco­logia da dádiva, na qual a “natureza entrega fertilidade e umidade, cheias e rios voadores. Mas não quer nada em troca, senão ser deixada em paz”.

O Instituto Socioambiental (ISA) estranhou, em recen­te editorial, que os governantes não levem a sério os estu­dos científicos recentes, que vêm desvendando a dinâmi­ca das chuvas amazônicas, responsável pelo abastecimen­to de água da maior parte da América do Sul por meio dos chamados “rios voadores” — fluxos gigantes de vapor d’água que se espalham regularmente ao Leste da Cordi­lheira dos Andes, a partir da Amazônia.

É impossível voltar a viver como os povos tradicionais da Amazônia, mas a ecologia da dádiva praticada por eles há séculos dispõe de um modelo anticapitalista por exce­lência, onde “não há paga, não tem ciclo do valor (…), in­clui a reciprocidade, a obrigação de dar, receber, retornar e até iniciar uma outra dádiva, sob pena de uma profunda violência”, conforme define Viana em seu texto inspirado.

rios amazonia peixe

 

0 Comments

You can be the first one to leave a comment.

Leave a Comment

 
 

You must be logged in to post a comment.

 

Arquivos Recentes