PoeMário Vasculhado–BEBERIMBAUD, poem’eu de be-rimbau-d e “A eternidade” reencontrada de Rimbaud

A ETERNIDADE ARTHUR RIMBAUD Ela foi reencontrada. O que? A eternidade. É o mar que foi fundir-se com o sol. Vai, minh’alma, eterna sentinela, cumpre tua promessa e murmuremos juntos a confissão, apesar da noite tão nula e só e do dia em chamas. De tuas humanas amarras e teus tão vãos anseios desapega, desprende-te e voa conforme… Porque somente de vós, brasas de cetim, o Dever e vosso ardor exalam sem que se diga: finalmente… Lá, nenhum amanhã, nenhuma […]

Continue reading »