>> Cinco minutos com Arundhati Roy

arundhati

Arundhati Roy respondendo a um membro da audiência que questiona suas críticas ao governo da Índia

Transcrição traduzida: Mario S. Mieli

Um membro da audiência perguntando:
Arundhati Roy, você fala com paixão, mas sua credibilidade é questionável. Isso porque você fala com grande raiva da Índia. Não sei o que leva você a ter tanta raiva. A Índia é a maior democracia do mundo. Se você fosse chinesa, você não poderia falar do jeito que fala. […] Você deveria ter uma visão mais saudável da Índia. Permita à sua mente listar pelo menos três coisas boas da Índia. Com clareza. E sua audiência será mais receptiva. A unidade da Índia não é negociável.
Jeremy Paxman, o outro dia, descreveu muitos buracos na sua argumentação e você precisa saber disso. A coisa é que você acabou de ter um deslize, quando disse que esse estado hindu é realmente algo… o primeiro-ministro da Índia é um sikh, Sonia Gandhi é cristã. Há grupos evangélicos que estão gastando dinheiro para fomentar problemas na Índia. Você precisa responder a essas perguntas.

Resposta de Arundhati:
Fico mais que feliz em responder às perguntas. Acho que a coisa mais notável e maravilhosa sobre a Índia é o fato de que nós temos os mais notáveis movimentos de resistência. [aplausos].
Temos as pessoas mais pobres do mundo resistindo contra as corporações mais ricas, pondo seus corpos na linha de frente, perguntando ao mundo as questões mais profundas que não podem ser postas ao mundo, que são:

Redefinir o significado de civilização.
Redefinir o significado de felicidade.
Redefinir o significado de modernidade.

Quanto ao fato de que se eu estivesse na China, eu não teria o direito de falar, que se a Índia não fosse uma democracia, eu não teria o direito de escrever, é verdade, mas não estamos numa competição de tragédias. Mas o que eu gostaria de dizer quanto à liberdade de expressão na Índia é: vocês podem imaginar, há alguns anos, em 2002, houve um massacre contra a comunidade muçulmana. Esqueçam o que está acontecendo na Caxemira, onde 70 mil pessoas foram assassinadas em nome da democracia, mas falando sobre o [estado de] Gujat, houve um massacre no qual cerca de 2 mil muçulmanos foram assassinados, mulheres estupradas por gangues, gente queimada viva, 150 mil pessoas expulsas de suas casas. Num dos casos, um representante muçulmano, chamado Assan Jaffry, estava abrigando muitos muçulmanos em sua casa, porque ele era membro de uma assembleia legislativa e as pessoas acharam que ele estaria protegido das 20 mil pessoas que se agruparam [para atacá-los]. Mas as pessoas se juntaram. Ele chamou a polícia, chamou a Sonia Ghandi, chamou todos os que ele tinha que chamar, mas ninguém ajudou. Ele disse aos agressores: façam o que quiserem comigo, mas deixem em paz as mulheres e as crianças.

Ele foi agarrado, lhe cortaram seus braços e pernas, e o queimaram vivo. Outras 65 pessoas foram mortas.
Alguns anos depois, as pessoas que fizeram isso confessaram diante das câmaras o feito, nesta “grande” liberdade de expressão que temos. Foi veiculado pela televisão. Gente como Babu Bajangi que apareceu orgulhoso dizendo quantos muçulmanos tinha matado. Gente ostentado o fato de ter estuprado muitos muçulmanos, pessoas descrevendo nos mínimos detalhes como Assan Jaffry tinha sido sacrificado. Tudo na nossa mídia livre.
E nada aconteceu. Teve gente que disse que isso foi usado pelo primeiro-ministro para ter até mais popularidade junto aos eleitores hindus.

Então, a situação que temos é que A ELITE ESTÁ FUNDIDA COM O ESTADO, agora, e acredita ser o estado.

Nós que falamos essas coisas, AMAMOS NOSSOS RIOS, NOSSAS MONTANHAS, AMAMOS A MÚSICA DO NOSSO PAÍS. AMAMOS TUDO ISSO. E NÃO FALAMOS COM UMA ATITUDE DE ÓDIO. MAS COM UMA ATITUDE DE AMOR ABSOLUTO. POR ISSO LUTAMOS COM TANTA FORÇA.
SE NÃO HOUVESSE BELEZA A SER PRESERVADA, ABSOLUTA ADORAÇÃO, NÃO ESTARÍAMOS LÁ. Eu estaria vivendo em algum Mayfair Gardens… LUTAMOS PORQUE AMAMOS [A ÍNDIA]. LUTAMOS PARA PRESERVAR SUA NATUREZA E A BELEZA DA IMAGINAÇÃO, QUE AINDA EXISTE E ESTÁ VIVA NA ÍNDIA, E QUE FOI PERDIDA EM TODOS OS OUTROS LUGARES.

É por isso que lutamos. Então, por favor, não venha me pregar um sermão dizendo que odeio o meu país, porque eu não o odeio.

Alguns dos textos de Arundhati Roy traduzidos para o português no arquivo da imediata:

>>>Guerra covarde (Port/Eng)

>>>O que chamamos “paz” é pouco mais que capitulação ao golpe corporativo (Port/Eng)

>>>Qual dos dois detergentes deixa a roupa mais branca – O Poder Público na era do império (Port/Eng/Esp)

>>>O novo século Americano (Port/Eng)

>>>A solidão de Noam Chomsky (Port/Eng)

>>>A silhueta da besta (Port/Eng)

>>>Democracia Imperial – mistura instantânea (compre uma, leve duas) (Port/Eng)

>>>Mesopotâmia. Babilônia. O Tigre e o Eufrates (Port/Eng)

>>>Confrontando o Império (Port/Eng)

>>>Ahimsa (Port/Eng)

>>>Sob a ameaça da treva nuclear (Port/Eng)

 

0 Comments

You can be the first one to leave a comment.

Leave a Comment

 
 

You must be logged in to post a comment.

 

Arquivos Recentes