Home » DEVIR (Page 2)

  • >> O poder de abstração e o seu antagonismo. Sobre as psicopatologias do capitalismo cognitivo, por Matteo Pasquinelli

    >> O poder de abstração e o seu antagonismo. Sobre as psicopatologias do capitalismo cognitivo, por Matteo Pasquinelli

    O poder de abstração e o seu antagonismo. Sobre as psicopatologias do capitalismo cognitivo Por: Matteo Pasquinelli Fonte: uninomade 28/03/2013 Tradução: Mario S. Mieli Matteo Pasquinelli por Anne Helmond “A vida fende a matéria, elabora e contrai a matéria, dando vida às virtualidades contidas no material em direções desconhecidas. A vida emerge como devir-conceito, devir-pensamento ou, no caso da consciência, como devir-cérebro.” — Elisabeth Grosz[1] O debate filosófico-político dos últimos anos, pelo menos nas latitudes do pensamento francês e italiano, […]

    Continue reading »

  • >> Praça Syntagma – teatro-coração da guerra por opostos Paradigmas, por Mario S. Mieli

    >> Praça Syntagma – teatro-coração da guerra por opostos Paradigmas, por Mario S. Mieli

    Praça Syntagma – teatro-coração da guerra por opostos Paradigmas por Mario S. Mieli Estruturalismos e trocadilhos à parte, a Praça SYNTAGMA, em Atenas, Grécia é o coração do teatro de guerra por opostos PARADIGMAS. Banco-Corporatocracia e Ditadura financeira X Democracia. Austeridade X Normalidade. Estados-Nações Soberanos X Governo Único Mundial. Nova (Caquética e Obscurantista) Ordem(Bagunça e Caos) Mundial/Medieval X Humanismo. Respeitar o povo X Desprezar o povo. O amor da Sabedoria X A obsessão com a Tirania. Mesmo com esta batalha […]

    Continue reading »

  • >> Dos rastros químicos à pseudo-vida de uma humanidade sintética.  A agenda oculta da biologia sintética, palestra de Sofia Smallstorm

    >> Dos rastros químicos à pseudo-vida de uma humanidade sintética. A agenda oculta da biologia sintética, palestra de Sofia Smallstorm

    Dos rastros químicos à pseudo-vida de uma humanidade sintética. A agenda oculta da biologia sintética, palestra de Sofia Smallstorm Famosa frase de Marcel Proust (1871-1922) que Sofia Smallstorm usa para iniciar sua palestra: “Le véritable voyage de découverte ne consiste pas à chercher de nouveaux paysages, mais à avoir de nouveaux yeux.” “A verdadeira viagem de descoberta não consiste em procurar novas paisagens, mas em ter novos olhos.” “The real voyage of discovery consists not in seeking new landscapes, but […]

    Continue reading »

  •  
  • >> A importância da banalização para cimentar o controle social, por Colin Todhunter

    >> A importância da banalização para cimentar o controle social, por Colin Todhunter

    A importância da banalização para cimentar o controle social Por: Colin Todhunter Fonte: Global Research de 3/10/2012 Tradução: Mario S. Mieli Nas sociedades modernas, o conhecimento se expandiu até o ponto em que a especialização e sub-especializações se tornam a norma. É simplesmente impossível que uma única pessoa tenha um conhecimento profundo de todas as disciplinas. Precisamos recorrer a outras pessoas para superar essa falta de conhecimento, geralmente em termos relativamente simplistas. A maioria de nós é obrigada a aceitar […]

    Continue reading »

  • >> Neo-humanidade: Transhumanismo fundindo homem e máquina, por Susanne Posel

    >> Neo-humanidade: Transhumanismo fundindo homem e máquina, por Susanne Posel

    Neo-humanidade: Transhumanismo fundindo homem e máquina Por: Susanne Posel Fonte: Activist Post de 10 de agosto de 2012 Tradução: Mario S. Mieli Ciência e religião se cruzam na intersecção representada pela doação de 5 milhões de dólares feita pela John Templeton Foundation para a UC Riverside, na Pensilvânia, com o objetivo de fazer progredir as pesquisas sobre pós-morte e imortalidade. John Martin Fischer, professor de filosofia da UC Riverside, promoverá conferências e supervisará estudantes de pós-doutorado que operarão um website […]

    Continue reading »

  • >> Como pensar, por Chris Hedges

    >> Como pensar, por Chris Hedges

    Como pensar Por: Chris Hedges Fonte: CommonDreams de 9/7/2012 Tradução: Mario S. Mieli As culturas que perduram são aquelas que entalham um espaço protegido para quem questiona e desafia os mitos nacionais. Artistas, escritores, poetas, ativistas, jornalistas, filósofos, bailarinos, músicos, atores, diretores e renegados precisam ser tolerados se quisermos impedir que uma cultura desabe no precipício. Membros dessa classe intelectual e artística, geralmente não bem-vindos nos halls estupidificantes do mundo acadêmico, onde a mediocridade é triunfante, servem como profetas. Eles […]

    Continue reading »

  •  
 
 

Arquivos Recentes